ROUPAS PARA DEFICIENTES E SEU DESIGN ADAPTÁVEL

Atualizado: Fev 26


Roupas para deficientes e seu design adaptável

Para as pessoas com deficiência, está cada vez mais fácil encontrar roupas elegantes e que atendam às suas necessidades. Depois de anos vendo sua neta em jeans muito longos e largos, Karen de Carvalho procurou muito por marcas que funcionassem para a menina e outras pessoas em situações de cadeira de rodas.


"Não havia nada que servisse para eles", disse Karen, de Sorocaba, São Paulo. Convencida de que "as pessoas com deficiência são uma população esquecida no mundo", Carvalho, empresária "sem pistas" sobre a indústria do vestuário, passou quatro anos procurando por vestuário que lhe atendesse, e finalmente descobriu a AdaptWear e suas soluções "moldadas e dimensionadas" para pessoas com necessidades específicas. Todos as peças possui pull-on, calça cáqui e calça preta da marca têm cintura elástica, presilhas para cinto, cós ajustados, zíperes e braguilha para simplificar o vestir.




Carla Scheier, por outro lado, era uma designer de moda que enfrentava um apelo urgente de roupas para o seu filho Oliver, então com 18 anos, cuja distrofia muscular exigia aparelho ortopédico. Apenas calças de moletom caberiam sobre o hardware e ainda permitiriam que ele usasse o banheiro sozinho.


“Fiquei horrorizado com o que vi lá fora”, disse Scheier, mãe de três filhos em Botucatu, SP. “Não havia nada na moda, atual ou moderno para pessoas deficientes. Tudo era para uma população dita normal ”


Então, ela cortou os jeans dos seus filhos e costurou tiras de velcro da bainha até logo abaixo do joelho para acomodar os suspensórios e substituiu o zíper por fechos mais fáceis. Aqueles jeans desesperados marcavam a primeira vez que Oliver poderia colocar calças com zíper ou botões e usar o banheiro por conta própria.


Isso foi em 2013. Hoje, um número cada vez maior de empresas de roupas e calçados oferece estilo, dignidade, independência e até alegria para consumidores especiais e descolados com deficiência, sejam eles próprios se vestindo ou por ajuda de terceiros.


Daí, nasce o termo "design adaptável", roupas normais e sapatos reprojetados para crianças e adultos com problemas físicos, cognitivos ou sensoriais, tanto crônicos quanto de curto prazo.


TUDO DEVE SER LEVADO EM CONTA

Elástico, botões de pressão, ímãs, botões grandes, zíperes, cordões e velcro prendem tudo, desde camisas sociais e capas de chuva até sungas e pijamas. Os zíperes nas costas que vão até a coluna em macacões impedem que pessoas com demência ou problemas de autismo sejam despidas. Os Bodys têm aberturas ocultas para acesso abdominal. Vestidos, camisas e moletons têm dois zíperes frontais em ângulo para acesso às portas do tórax, cateteres ou linhas PICC usadas para infusões de medicamentos. Tecidos aconchegantes, costuras planas, etiquetas sem etiquetas e a falta de bolsos traseiros evitam desconforto sensorial e lesões na pele. Tênis com zíper e fecho de fecho tornam os sapatos mais fáceis de manusear.



O design adaptativo começou há cerca de 40 anos, principalmente para idosos em instituições de longa permanência, não para jovens adultos e crianças. Essas primeiras roupas e sapatos, embora dificilmente vanguardistas, foram uma dádiva de Deus para os cuidadores e seus pupilos, muitos dos quais tinham lutado - ou se envergonhado - com roupas convencionais, especialmente moletons de último recurso.


Muitas das roupas e sapatos adaptáveis ​​de hoje parecem mais jovens do que os oferecidos na época, usando tecidos e designs adaptados de trajes convencionais da moda.


A designer canadense de longa data Izzy Camilleri - conhecida por peles, vestidos e trajes sofisticados usados ​​por atores e roqueiros - fez sua primeira peça adaptável há 15 anos: um casaco personalizado para a jornalista Toronto Star e ativista da deficiência Barbara Turnbull, que era paralisado do pescoço para baixo aos 18 anos durante um tiroteio em uma loja. (Ela morreu aos 50 anos em 2015).


“Eu nunca trabalhei com alguém em uma cadeira de rodas, com deficiência. Foi bastante revelador e humilhante ”, disse Camilleri por telefone de seu showroom em São Paulo. O casaco semelhante a um capuz de Turnbull "precisava ser mais curto na parte de trás, com bolsos na parte interna para manter as mãos aquecidas e um zíper comprido na frente para que seu cão de serviço pudesse operar. Eu simplesmente me tornei muito mais compassivo, sabendo o que é preciso para pessoas com deficiência passarem o dia. ”


A coleção da AdaptWear oferece noções básicas de guarda-roupa principalmente em preto, branco, cinza e cáqui para mulheres e homens. Nós, como outros designers adaptativos, costumamos criar duas coleções: uma para pessoas que conseguem ficar de pé, que é como os padrões de roupas convencionais são configurados, e outra para pessoas que se sentam, na maioria das vezes em cadeiras de rodas, o que significa que as roupas devem caber em um corpo dobrado ângulos nos quadris e joelhos. As roupas “sentadas” são cortadas mais largas no colo e nas coxas, com cintura modificada que evita pressão no abdômen ao mesmo tempo que proporciona cobertura e conforto na parte traseira. Casacos são cortados mais curtos na parte de trás para evitar tecidos amontoados que podem irritar a pele e órgãos internos. O preço das roupas variam de R$80,00 regatas a R$210,00 as camisas com fechamentos em zíper.


COLEÇÃO DE ROUPAS ADAPTADAS PARA PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECÍFICAS

“A reação geral quando as pessoas ouvem sobre design adaptativo é,‘ Caramba! Como isso não aconteceu antes? '”, Disse Scheier, que fundou a Runway of Dreams em 2014 para exortar os líderes da moda a aceitarem as pessoas com deficiência como consumidores, criadores e modelos. “Não é diferente de tamanhos grandes, pequenos e maternidade”, disse Scheier. “Se você consegue encontrar roupas para cães, mas não para pessoas com deficiência, isso não está certo.”


“As pessoas julgam quem você é 30 segundos após a reunião, então o que você veste é importante para sua auto-estima”, disse Sheila Alvaro, GO, designer para homens e mulheres, inspirada por seu pai elegante, que ficou chocado com as escolhas adaptativas existentes após uma internação hospitalar.


Sua roupa preferida, é uma camisa azul de R$210,00 com fechamento em imã, uma vez que a sua artrite avançada compromete sua habilidade em desabotoar os botões de sua camisa. Para aqueles que não conseguem levantar os braços acima da cabeça (incluindo Keyla, que sofre de dores recorrentes na parte superior do corpo) ou ficar de pé, o vestir se dá pelo sistema de abertura na parte de trás das suas blusas.



CAMISA COM FECHO EM IMÃ


É elegante o suficiente para ser usado no teatro, um almoço de negócios - ou quimioterapia, devido aos zíperes duplos que se inclinam para baixo a partir do decote. Um bônus não intencional: o corpete aberto funciona para mães que amamentam. Keyla chama suas roupas de “normalizadas”, não de “adaptáveis”, porque ela disse que a última palavra pode carregar um estigma.


Semântica à parte, roupas que se encaixam corretamente "aumentam a confiança e a independência", disse Alette Coble-Temple, professora de psicologia da Universidade John F. Kennedy na Califórnia e ativista pelos direitos dos deficientes.


Embora ela use roupas convencionais, a vencedora do Ms. Wheelchair America 2016 disse que amigos com deficiência estão entusiasmados com o fato de que os adaptadores mais novos "parecem modernos e podem entrar neles sem ter que contorcer o corpo".


Para Carolyn Pioro, uma trapezista de circo que ficou tetraplégica após um acidente de trapézio em 2005, quando tinha 20 anos, seu casaco AdaptWear personalizado “foi uma virada de jogo”. Corte curto nas costas, com braços em forma de capuz e gola alta, é fácil para os outros ajudá-la com isso.



“Ninguém precisa me inclinar para frente na cadeira ou levantar meus braços ou fazer qualquer de movimento para me vestir. Eu me sinto confortável pedindo a meus amigos de ambos os sexos para me ajudar em uma noite fora, sem que a tarefa seja muito difícil para qualquer um de nós. "


Com cabelos ruivos espetados e lábios vermelhos, a escritora freelance e verificadora de fatos da moda de Toronto apresenta um caso poderoso para aumentar o quociente de estilo do design adaptativo.


“Eu tenho [o casaco] há anos e ainda adoro”, disse ela. O mesmo acontece com estranhos que param em sua cadeira de rodas para admirá-la.


Seu acidente de trapézio pode ter, às vezes, "tirado minha dignidade", disse ela recentemente por telefone, mas certamente "não tirou minha vaidade".


Nós da AdaptWear, somos um casal que se sensibilizou pela falta de opções de vestuário para pessoas com necessidades especiais. Para tanto, passamos um bom período de tempo conversando com o nosso público alvo e com isso pudemos identificar as necessidades e os desafios que envolve os nossos usuários e os seus cuidadores.

Descobrimos que nossos clientes desejam manter sua rotina diária completa, e assim, possam continuar usufruindo dos melhores momentos da vida com seus familiares. Isso inclui vestir-se com independência. Querem viver de acordo com seus desejos e suas próprias regras.

197 visualizações0 comentário

Somos uma marca que visa dar independência aos usuários. Nosso vestuário é mais fácil de vestir.

AdaptWear_só_a_marca.png
Atendimento
Contato

Tel: 0800 585 2929

Whatsapp: 55 62 99927.1020

Email: suporte@adaptwear.com.br

Siga-nos
whatsicon.png
instagram.png
pin.png
YT.png
facebook.png

 AdaptWear Vestuário LTDA.  CPF/CNPJ: 11.032.353/0001-90   Rua 102 C, 96  Setor Sul -   Goiânia, Goiás CEP 74083280
 suporte@adaptwear.com.br     Telefone: (62) 99927-1020

Feito Orgulhosamente por Garden Marketing Digital